AS DEFICIÊNCIAS DO JUDICIÁRIO E O CÁLCULO EMPRESARIAL

family

Muito provavelmente o gestor empresarial deixa de lançar em seus custos um dos componentes de relevante importância para sua lucratividade.

Por certo, muitos sequer elaborem qualquer indagação quanto ao chamado direito-custo assim compreendido como a repercussão econômica decorrente da aplicação da norma jurídica nos custos da atividade empresarial.

As normas do direito tributário inerentes às diversas atividades produtivas e devidas pelos empresários, às normas de direito previdenciário e trabalhista, avolumando os encargos sociais devidos, são alguns exemplos do direito-custo.

Veja-se, outro exemplo, as normas do direito ambiental, que, para evitar as externalidades negativas, impedem a realização de inúmeros projetos industriais, tendo como conseqüência a inibição do volume de produção de bens e serviços.
Enfim, é difícil selecionar dentro do ordenamento jurídico todos os institutos em que têm preeminência as repercussões econômicas no âmbito da atividade empresarial.

AS DEFICIÊNCIAS DO JUDICIÁRIO E O CÁLCULO EMPRESARIAL

Não somente as normas de direito material tem imediata repercussão na vida econômica da empresa, as normas adjetivas entendidas como aquelas que determinam a ação do comando expresso da norma material, aplicadas pelo poder jurisdicional do Estado, se afiguram como condicionantes para o calculo empresarial. É dizer, se o Poder Judiciário ao prestar a tutela jurisdicional o faz com extremo retardamento, à toda evidência, isso terá repercussão em maior ou menor grau no custo do direito para a empresa.

Não vale, aqui, o Adágio de que a justiça tarda mas não falha. O excesso de demora na prestação jurisdicional torna-se verdadeiro sinônimo de falha, pois de nada servirá dizer o Direito no caso concreto quando, pelo passar de longos anos, já se perdeu o objeto da lide, ou quando a decisão já se encontrar inócua. Ainda que se saiba que o magistrado precisa de um tempo mínimo para amadurecer sua convicção, ouvindo as partes e ponderando o direito em discussão, esse prazo não pode se estender demasiadamente, sob pena de produzir-se no tutelado, que tem o direito, a sensação de que o desgaste da longa espera frustrou seu acesso a uma ordem jurídica justa.

A demora do provimento jurisdicional no âmbito empresarial traz pesado ônus a todo o sistema produtivo. Imagine-se a empresa que vá buscar seus créditos por meio do poder jurisdicional do Estado que, em descompasso com a velocidade do mundo empresarial privado, retarda, adia e eterniza o processo de cobrança, estaria impingindo um fator de elevação do cálculo empresarial na medida em que esse credito em liquidação, por vezes pode significar o próprio capital de giro da empresa. Isso implica na elevação dos custos dos bens da vida oferecidos por esta empresa e consequentemente do preço final do fornecimento, de forma que, repassa-se este plus aos consumidores finais.

CONCLUSÃO

Ter a percepção da necessidade de orientar a atividade empresarial com vistas a minimizar o impacto das externalidades negativas, provocadas pelas normas legais e pelas decisões judiciais, sob a ótica econômica, afigura-se de extrema importância para a otimização da lucratividade nos negócios.

O empresário, em primeiro lugar precisa planejar tendo em conta intuito de evitar o conflito judicial, caro e moroso, e, quando inevitável, deverá estar instrumentado tanto para exigir o direito quanto para defender-se de pretensões injustas.

* O autor é sócio fundador do escritório GOULARTE ADVOGADOS ASSOCIADOS.

** Referido artigo encontra-se publicado na Revista Empresário - EMP, ano 09, Edição nº 91, Novembro 2014, pág.52.

Voltar

Busca

Últimas Notícias

Abr 04, 2019

post Ação de prestação de contas não pode ser utilizada por alimentante para fiscalizar uso da pensão
Ver mais...

Dez 19, 2018

post Limite do cheque especial, por pertencer ao banco, não pode ser penhorado de cliente
Ver mais...

Dez 13, 2018

post STJ mantém bloqueio de passaporte como meio coercitivo para pagamento de dívida
Ver mais...

Algum problema ou dúvida legal? Agende uma consulta!