O JULGAMENTO PARCIAL DE MÉRITO COMO PRESSUPOSTO DE CELERIDADE E EFICIÊNCIA NA ENTREGA DA TUTELA JURISDICIONAL

family

Uma justiça célere e eficiente é o que os cidadãos reputam de direito. No cotidiano jurídico, inúmeras são as queixas no tocante a demora no julgamento das ações judiciais, tal morosidade causa sofrimentos e ansiedade aos cidadãos, que aguardam inquietamente pelo recebimento da tutela jurisdicional.

Neste contexto, o Novo Código de Processo Civil – Lei nº 13.105/2015, que entrou em vigor em 18 de Março de 2016, dentre outras inovações, prevê em seu Artigo 356 a possibilidade do magistrado fragmentar o julgamento da causa e conceder mais rapidamente o pedido ou parte dele, que não depender de dilação probatória.

Tal inovação é digna de aplausos, uma vez que é recorrente no mundo jurídico, depararmos com ações que versam sobre vários pedidos, uns com necessidade de dilação probatória e outros cujas provas estão todas acostadas aos autos, ou ainda, ações que versam sobre matéria de caráter incontroverso.

Com a entrada em vigor no Novo CPC, o magistrado deverá de plano, julgar os pedidos que não necessitarem de dilação probatória, de modo que os litigantes, em especial a parte Ativa, não precisará mais aguardar a satisfação de todas as provas para obtenção do provimento jurisdicional.

Para melhor ilustrar, imaginamos a fictícia hipótese que a parte Autoral ingressou com uma ação pleiteando pela condenação da parte Adversa ao pagamento de indenização por danos materiais e morais, caso muito recorrente perante a justiça brasileira.

Imagine-se que na hipótese sub judice, os danos morais independem da produção de novas provas, já os danos materiais será necessário a produção dilatória a fim de quantificar sua proporção. 

Pelo abolido Código de Processo Civil (CPC/73), que vigorou no ordenamento jurídico brasileiro até 17 de março de 2016, o juiz precisaria aguardar o encerramento de todas as produções de provas para depois proferir uma única sentença, já no Novo CPC o juiz poderá decidir de plano os pedidos incontroversos por intermédio de decisão parcial de mérito e os que prescindirem de dilação probatória posteriormente através de sentença. 

Tal instituto além de inovador atende aos preceitos de celeridade e eficiência, visto que a execução da decisão parcial de mérito poderá ser imediata, sendo definitiva quando do trânsito em julgado da decisão ou provisória quando a decisão for atacada por Agravo de Instrumento e encontra-se aguardando julgamento.

* A autora é advogada da Goularte Advogados Associados e pós graduanda em Direito Processual Civil lato sensu pela Faculdade de Direito Professor Damásio de Jesus. 

** O tema ora abordado fora objeto da pesquisa de conclusão de Curso para obtenção do grau de pós graduada.


Voltar

Busca

Últimas Notícias

Abr 04, 2019

post Ação de prestação de contas não pode ser utilizada por alimentante para fiscalizar uso da pensão
Ver mais...

Dez 19, 2018

post Limite do cheque especial, por pertencer ao banco, não pode ser penhorado de cliente
Ver mais...

Dez 13, 2018

post STJ mantém bloqueio de passaporte como meio coercitivo para pagamento de dívida
Ver mais...

Algum problema ou dúvida legal? Agende uma consulta!